Ajuda

Por todos os Josés e Antônios que estão por aí!

08:39

                             Resultado de imagem para senhor idoso tumblr

      Tive a chance de conhecer dois senhores nesse mês. Os dois cuidam dos carros das pessoas que estacionam para trabalhar ou estudar. Apesar de desempenharem a mesma função, moram em cidades diferentes e com ambos, presenciei cenas de humilhação. O que é que seu José e seu Antônio fizeram que os colocaram como dignos de qualquer palavra rude e desprezo? Ou será que é o que não fizeram? Talvez se tivessem se graduado e deixado os currículos em alguma empresa...Não quero entrar no âmbito de oportunidades ou não. Tem a ver com descortesia. Impolidez. Indelicadeza.
      Justificamos nossa falta de gentileza com a correria e grau de importância que damos uns aos outros. Quer dizer, por que ser educado com alguém se eu estou com pressa e fiquei duas horas esperando na fila? Mereço ser atendido 'pra ontem' e de preferência, sem nenhum blá-blá-blá de como está o dia ou sei lá o quê. Por que ser gentil se eu fiquei rodando o centro da cidade uma hora atrás de vaga e quando eu finalmente encontro tenho que tratar bem quem estiver cumprindo vigilância dos automóveis? Por que ser cortês com a senhora que cuida da limpeza do meu local de trabalho? Prestei concurso ou fiz muitos cursos para que fosse um empregado digno de um bom salário e regalias e tenho direito a trabalhar em um lugar limpo. Eles não fazem mais do que obrigação.
      Na verdade, querido leitor, você tem sim. Você tem que ser educado com a moça que trabalha no balcão. Você tem que ser gentil com quem cuida dos carros. Você tem que ser cortês com a senhora que cuida da limpeza. Não é sobre o que eles fazem. É sobre quem são. São pessoas. São gente. São merecedores de carinho e afeto, e não é um cargo que ocupam que vai tirar isso deles. Agimos como se o que vestimos ou fazemos medissem nossos valores. E para muitos, infelizmente, só isso mesmo que importa.
    Seu José e seu Antônio, depois de terem sido agredidos por palavras mal ditas e silêncios pretensiosos se dirigiram a mim e perguntaram: “Você viu isso? Não deram nenhum 'obrigado' ”, “Você viu isso? Eu tentei ajudar mas ele foi grosso demais!”. Queria não ter visto. Queria que essa soberba e imodéstia que tem percorrido os relacionamentos – até mesmo aqueles que são apenas encontros rápidos – fossem um conto da Carochinha. Respondi os dois com um sorriso e agradeci por terem me auxiliado quando precisei. E pedi para que eles continuassem com a simplicidade deles.
       Por todos os Josés e Antônios que existem por aí, não devemos deixar o importar-se com o outro evaporar. Olhar o outro com humanidade e carinho é o que devemos fazer. Cada um de nós é alguém. Temos sonhos, projetos, gostos e desgostos. Merecemos ser tratados com todo o respeito. Por que se ele não existir, onde é que nosso mundo vai parar?



You Might Also Like

0 comentários